Publicidade

Confira o valor do novo salário mínimo, determinado pelo Congresso Nacional

Publicidade

Desde janeiro que o novo valor do salário mínimo de R$1.212,00 já estava valendo. No entanto, o Congresso Nacional ainda não havia aprovado de maneira definitiva o valor do novo salário mínimo. Sendo que a aprovação pelo MP é uma regra que o Ministério Público exige para que o aumento se torne de fato uma lei.

Além do mais, as novidades ao se tornarem leis, causam maior segurança para que as mudanças não regridam. Desse modo, o Congresso Nacional decretou o valor do novo salário mínimo de R$1.212,00 nesta semana (dia 02/05). Além do mais, o Senado já havia apoiado no fim de maio (dia 26/05) esta Medida Provisória.

Publicidade

Portanto, agora o valor de R$1.212,00 se tornou definitivo para todos os trabalhadores brasileiros que recebem o salário mínimo. Além do mais, só faltava a aprovação do Congresso Nacional para que o valor se tornasse uma lei. Esse aumento foi feito, entre outros fatores, principalmente por causa de reajustes econômicos.

valor do novo salário mínimo
Valor do novo salário mínimo (Imagem do Google)

Por que aumentou o valor do novo salário mínimo?

Geralmente quando ocorre aumento no salário mínimo, isso ocorre por dois motivos. Entre eles, os motivos econômicos em que se analisa o Produto Interno Bruto e a inflação por meio do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Desse modo, a intenção é aumentar o poder de compra do trabalhador.

Além do mais, de acordo com as mudanças na economia, o poder de compra pode tanto subir quanto diminuir. Quando o salário sobe de valor, o objetivo é aumentar o poder de compra da população que depende do salário mínimo. Desse modo, o aumento ocorreu como uma correção inflacionária, e o valor acrescido não fez tanta diferença no total.

Além disso, o salário também pode ser aumentado por motivos sociais, o que não ocorreu com este. Embora parlamentares tenham debatido sobre o assunto, o baixo valor ainda é um obstáculo para suprir as necessidades das famílias brasileiras. Ademais, a fome e a miséria no país atingiram novos valores de crescimento.

Dados do IBGE sobre o salário mínimo

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) faz diversas pesquisas pelo Brasil como forma de analisar detalhes, como raça, renda, escolaridade, entre outros, sobre a sociedade brasileira. Desse modo, o IBGE e o INSS possuem informações sobre a quantidade de brasileiros que recebem 1, 2, 3 ou mais salários mínimos e dependem do aumento desses valores:

Publicidade
  • de acordo com pesquisas do IBGE, mais de 60 milhões de brasileiros, ou seja quase um terço da população do país recebe até dois salários mínimos. Desse modo, 70% das pessoas empregadas recebem até 2.424,00. Sendo muitas delas chefes de família, e que o valor não consegue dar conta das necessidades dos membros da comunidade familiar;
  • de acordo com o INSS, 25 milhões de aposentados recebem até um salário mínimo. Desse modo, quase 70% das pessoas aposentadas, dependem de um baixo valor para suprir todos os itens que precisam para sobreviver. Logo, a compra de remédios e alimentos ficam limitadas, e os valores destinados ao lazer se tornam nulos devido a isso. Tornando o momento de descanso inexistente devido a necessidade de trabalhar para possuir uma nova fonte de renda;
  • dados do IBGE revelaram que 36% dos trabalhadores recebem somente até 1 salário mínimo. Além disso, desses, quase 10 milhões recebem até 1/2 salário mínimo.

Desse modo, grande parte da população é refém dos valores definidos pelo governo. E, desde 2020 a quantidade de pessoas que recebem de 0 a 1 salários mínimos tem aumentado, fazendo com que o número se torne superior ao de pessoas que recebem de 1 a 2, segundo dados de março de 2022 do IBGE e da PNAD.

Opiniões do Senado

Uma emenda para que o salário mínimo aumentasse para R$1.300 a partir de julho deste ano, criado pelo senador Jorge Kajuru (Podemos/Goiás), não foi aceita. Ainda, a senadora Soraya Thronicke (União/MS) tentou tratar sobre esse assunto. No entanto, o Ministério da Economia alegou que não havia condições de aceitar a proposta.

O valor do salário mínimo de R$1.300,00 não foi aceito, pois, segundo o governo, geraria um saldo de R$16 bilhões a menos nos cofres públicos. No entanto, o senador Cid Gomes argumentou em prol do reajuste para julho alegando que o governo faltou com a lógica, visto que este aumento iria aumentar a economia. E ainda, ressaltou sobre gastos com um orçamento secreto para compra de votos de deputados.

Ainda, o senador Kajuru ficou triste por esta situação, visto que a fome no país bateu o recorde mundial. Além do mais, uma reportagem feita pelo O Globo informava que 36% das famílias da sociedade brasileira passam fome. Além disso, o sexo feminino é o que mais sai prejudicado nesta situação, visto que, segundo uma reportagem, as mulheres passam mais fome no Brasil.